planejamento anualdo condomínio
Planejamento Anual do Condomínio

Planejamento Anual do Condomínio: Conheça as Melhores Práticas

O planejamento anual do condomínio é um passo essencial para manter a saúde financeira sempre no verde. Ele ajuda a evitar despesas inesperadas colocando na previsão de orçamento os imprevistos que podem acontecer.

Elaborar um planejamento anual é recomendado para honrar os pagamentos do edifício, tais como salários de funcionários, água, energia, despesas administrativas e manutenções necessárias.

Para auxiliar nessa tarefa, é possível utilizar a média de despesas do período anterior ou solicitar ajuda da empresa administradora.

Além disso, existem outras práticas recomendadas para o planejamento anual do condomínio, continue a leitura e descubra quais são.

 

Qual a importância do planejamento anual do condomínio?

O planejamento anual do condomínio auxilia no equilíbrio do financeiro, atuando como um norte para a gestão do síndico.

Através disso, é possível identificar se os recursos recolhidos ao longo dos meses serão suficientes para cobrir as despesas, caso contrário, será necessário aumentar o valor da taxa condominial para conseguir arcar com os compromissos.

Além disso, com um plano de orçamento estipulado é possível organizar o caixa para investimentos futuros tais como revitalizações de ambientes e criação de novos espaços.

Outro impacto de um planejamento anual é o aumento do nível de satisfação dos moradores com a gestão do administrador do condomínio. Isso porque o gerenciamento adequado das necessidades do condomínio favorece a transparência, a comunicação, melhora o convívio e bem-estar de todos, que ficam mais confiantes nas decisões tomadas e abertos as sugestões propostas.

 

Como fazer o planejamento anual?

Primeiramente, é recomendado analisar as despesas do ano anterior e avaliar quais são os maiores gastos e qual é a recorrência deles. Quanto mais informações disponíveis melhor para o desenvolvimento do planejamento anual do condomínio.

Considere todas as despesas ordinárias e extraordinárias na sua análise. Veja a definição de cada uma delas abaixo.

  • Despesas ordinárias: São os gastos rotineiros necessários para a manutenção do condomínio, tais como: despesas administrativas, encargos sociais, gastos com pessoal, conservação e outros. Vale mencionar que em caso de locação, essas despesas são de responsabilidade do inquilino.
  • Despesas extraordinárias: São referentes a obras, reformas, emergências e benfeitorias. As despesas extraordinárias são de responsabilidade do proprietário do imóvel.

 Não esqueça de incluir os imprevistos no seu planejamento anual de condomínio. Eventos não programados sempre vão ocorrer, sendo assim é ideal estar preparado para o momento que eles surgirem, evitando surpresas.

É importante esclarecer que essas eventualidades não têm relação com as manutenções preventivas. Nesse caso trata-se de entupimento da rede hidráulica, quebra ou dano de algum bem e infiltrações, por exemplo.

Outro ponto importante que pode ser levado em consideração na hora de fazer o seu planejamento é calcular a inflação. Não é possível prever com precisão, mas sabe-se que vai acontecer, desse modo, é ideal considerar reajustes salariais ou aumento nos produtos e serviços consumidos pelo condomínio, tais como portaria eletrônica e contabilidade, por exemplo.

 

Quem deve fazer o planejamento anual do condomínio?

O síndico é responsável pelo planejamento anual do condomínio, que deve ser aprovado em assembleia.

Entretanto, isso não significa que ele precise fazer isso sozinho, é possível contar com a ajuda da administradora, do subsíndico e do conselho fiscal. Condôminos que tenham disponibilidade e conhecimento também podem auxiliar no desenvolvimento do plano.

 

Quais são as melhores práticas para o planejamento do condomínio?

As boas práticas no planejamento anual do condomínio trazem vantagens para o síndico e para todos os moradores, veja abaixo quais são elas:

  • Otimização de processos: Fazer o planejamento do condomínio por conta própria pode ser trabalhoso e cansativo, para evitar a chance de erros ou dados incorretos é recomendado otimizar processos e utilizar a tecnologia ao seu favor, o uso de softwares e sistemas de gerenciamento são uma excelente opção.
  • Realize ajustes quando necessário: Quando o plano traçado não sai conforme o esperado, o gestor não pode ter receio ou insegurança em comunicar a situação aos condôminos, pois os riscos são grandes. É preciso agir o quanto antes e fazer as modificações necessárias antes que cause impactos negativos para o condomínio. 
  • Gestão de inadimplências: Todas as programações são feitas com base no cumprimento dos condôminos com as suas obrigações financeiras. Sendo assim, o planejamento anual do condomínio pode ser afetado consideravelmente se o índice de inadimplência aumentar. Desse modo, adotar um gerenciamento de inadimplências e políticas de prevenção e conscientização sobre o tema é fundamental para que o plano ocorra conforme foi idealizado.

 

Considerações finais

Se a previsão de gastos não for feita eficazmente, ao longo dos meses poderá ser necessário utilizar o fundo de reserva para quitar as contas, comprometendo o caixa do condomínio e prejudicando o financeiro.

Ao final do ano avalie as projeções esperadas com o resultado real do planejamento do condomínio, isso permitirá desenvolver com maior eficácia e assertividade o plano do próximo período.

Vale lembrar que quando a administradora do condomínio trabalha em conjunto no desenvolvimento do planejamento financeiro, a possibilidade de sucesso da gestão é muito maior, uma vez que além das informações do seu condomínio ela tem uma visão de mercado. Quer saber como a Manager atua no desenvolvimento do planejamento anual e na prestação de contas dos seus condomínios? Clique aqui e um de nossos consultores explicará para você como seu trabalho pode ser facilitado e a eficiência de sua gestão aumentada.

 

Commentários (0)
Postar um comentário
Commentários (0)
Postar um comentário