Faculdade Orgânica

Faculdade Orgânica

Como muitos da minha idade, cresci convivendo com primos e amigos, passávamos boa parte do tempo na rua ou nas casas um do outro. Final de semana ou nas férias a rua era nosso “condomínio”, com uma única área comum a “calçada”.

Velhas brincadeiras eram o que nos socializavam, uma bola exercia as mais variáveis regras, skate ou bicicleta eram o luxo da época.  Mas tudo era de todos.

No meio das brincadeiras, uma pausa para o lanche na casa de uma tia. Bolinhos de chuva, pipoca, focaccia, pão com manteiga, chá gelado, suco ou “ki-suco”.

Vida simples e de forma simples, apreendemos que a empatia era aquilo que absorvemos da emoção do outro.

Tudo podia ser emprestado ou trocado sem a interferência dos mais velhos, afinal tudo tinha pouco valor material, mas muito valor emocional. Brinquedos, roupas, alimentos, etc.

Posso dizer que nessa época foi a primeira faculdade que cursei. Para não dizer que fui formado na rua, digo que me formei na Faculdade Orgânica.  Mas como foi impactante essa faculdade na minha vida.

Apreendi a pensar na necessidade do outro, porque todos estávamos na mesma situação.  Relações alinhadas pela vulnerabilidade e convivência.  Absorvemos naturalmente conceitos morais, éticos e religiosos.  A família se fazia presente e era fortalecida.

Hoje somos impelidos a criar nossos filhos para serem desconfiados, egoístas, solitários e suficientes.  Acreditamos que o auto nível na formação escolar e profissional poderá trazer a felicidade dos nossos filhos.

Por medo, preferimos nos munir de coisas caras e agendas apertadas na ilusão da proteção. Nossas “redes sociais” disseminam e colaboram para essa armadilha. A verdadeira rede social estava nas ruas do nosso passado.

Então como ensinar aos nossos filhos que a felicidade está perto? Que ela é factível e está nas coisas simples?  Como fazer o caminho de volta em nossos condomínios de hoje.

Autor: Marcelo Mahtuk, diretor executivo da Manager.

 

 

Commentários (3)
Postar um comentário

Commentários (3)
  1. Simples!
    Como nossos pais faziam. Não vivíamos em” condomínios clubes”, engaiolados em apartamentos caríssimos vendidos para nós como se fosse um Oasis e que na verdade só trás problemas com vizinhos. Sendo que muitos desses se irritam com o barulho da crianças. Não achar que dinheiro compra tudo e assim por diante.

  2. Paulo Chanel Deodato de Freitas 14.05.2019 at 17:59

    Prezado sr. escritor…anônimo..(?!?) deste ‘admirável’ texto = uma reflexão ‘profunda’ sobre a FACULDADE DA ‘VIDA’ … que todos nós fizemos.. .. e ainda …fazemos … e todas as outras pessoas (como disse o autor … nossos ‘filhos’ – também fazem… não é verdade!??
    Mas, as ‘disciplinas’ modernas são diversas e diferentes das de outrora… a ‘pelada de futebol’ na calçada (da nossa época) foi substituída pela do ‘videogame’ sofisticado mas…. sem ‘vida’!! ; as conversas da garotada na esquina depois da saída da escola ou do jogo de futebol … foi substituída pelo whatsapp do celular (ágil… mas, sem ‘vida’!)
    Enfim… fomos formados por uma Faculdade da ‘VIDA’ … REAL … e hoje a garotada é inFORMADA pela Faculdade da Vida VIRTUAL … Digital … se quiserem … que longe de ter aquele sabor do ‘picolé’ Kibon partilhado ou do pedaço de coxinha gostoso da Cantina da Escola… tem o ‘sabor metálico’ da tela do celular…
    Pena… e …. dó desta juventude ….
    MAS, o nosso desafio é trazer ao mundo material e materialista da atualidade e, portanto, ‘deles’, do imediatismo e do interesse egoísta … um pouco do nosso mundo ‘imaterial’ porque erguido com valores ‘espirituais’ ( da empatia, de alteridade) e até da “eternidade” por que não!??
    O desafio é atual, é GRANDE e é nosso … dos condôminos e dos Condomínios … da Manager e das Administradoras… dos governados e governantes… Enfim … da Sociedade !!
    Vamos trabalhar juntos !??
    Eu tenho algumas sugestões … começando por humanizar ao máximo a vida dos Condomínios … promover o encontro das pessoas… estimular reuniões que tratem … também desses assuntos… e valores ‘universais’ como cidadania, solidariedade, bons exemplos e bons testemunhos… e boas reflexões … como esta que o sr. autor deste artigo nos leva a fazer …
    Enfim… TALVEZ … tornando mais agradável tais encontros … como por exemplo … SE … regados a uma ‘degustação’ de vinhos’ sóbrio’s … brancos, rosés, e um petisco discreto como um queijo azul…!?? Creio que até as idéias fluirão mais fáceis e o nossos ‘ideais’ poderão se ‘perpetuar’…
    Cordial saudação … anônimo escritor….!?!

    • Marcelo Mahtuk 17.05.2019 at 05:55

      Prezado Sr. Paulo,

      O post esta assinado, veja no final do texto, foi escrito pelo Sr. Marcelo Mahtuk, sócio fundador da Manager.
      Completando sua consideração, seja onde for, quem for, qual função tenha deve ter em mente: A começar em mim…

      Abraços

Postar um comentário